ensino de música atravessado pela psicanálise

A teoria e a prática da Psicanálise são as bases que sustentam o Ensino de Música da Nós Bobôs, principalmente as Aulas de Piano.

Mas, como seria um Ensino de Música atravessado pela Psicanálise? Como funciona uma Psicanálise? Quais são as implicações da Psicanálise no Ensino da Música? E quais são as consequências dessas implicações?


A regra fundamental e os 3 momentos de uma análise

A psicanálise tem uma regra fundamental, a Associação Livre. O primeiro momento do processo de uma análise é a entrada na Associação Livre: "diga tudo o que vier à sua cabeça, não se censure, tudo aquilo que diz é importante, não tenha uma ideia a priori. Na medida seguir esse método muita coisa vai ocorrer." (1). Essa liberdade de dizer tudo o que vem à cabeça gera desconforto no analisando(2) quando este começa uma análise. E não é fácil expressar-se sem limites e sem censura. Este é o primeiro desafio de uma psicanálise.

Quando o analisando acostuma-se a seguir a Associação Livre, as censuras começam a ceder e ele entra no segundo momento da análise. Os medos e as angústias começam a enfraquecer e o analisando torne-se mais criativo, com mais desenvoltura e destreza para manejar os pensamentos e as ações. A criatividade permite criar um jeito próprio de ser e começa o processo de construção de uma forma particular de agir e de pensar.

O analisando começa a ser capaz de responsabilizar-se pelas próprias ações, fica mais ligados ao seu desejo, com mais vontade de viver, de produzir, de criar e de estudar. Passa a envolver-se com as ações que considera valiosas e a sustentar o seu modo de ser e o seu modo de se inserir no mundo.

Assim começa o terceiro momento de uma análise, o momento em que o analisando consegue estar no mundo de uma maneira nova, com menos sofrimentos, com menos sintomas paralisantes. Ele cria uma maneira particular, própria e criativa de ser. A análise acaba com o sujeito a sustentar a sua maneira singular de estar no mundo.


E como isso se reflete nas aulas de piano da Nós Bobôs?

Através do princípio da Associação Livre incentiva-se a liberdade e a criatividade. Durante as aulas, busca-se diminuir ao máximo os julgamentos, as críticas, as censuras, as cobranças. Diminui-se consideravelmente os jogos de violência e punição usados nos sistemas de ensino (Violência Educativa Ordinária - VEO). Cria-se um espaço de acolhimento e segurança onde o aluno pode expressar-se livremente, libertando a sua criatividade.

O professor sabe que toda manifestação do aluno reflete algo pessoal do próprio aluno. Assim, ele não mantém uma ideia a priori sobre o aluno e sobre o que vai acontecer na aula. Com a Associação Livre, tudo aquilo que o aluno diz é importante: retirar-se a censura ao máximo possível e, ao seguir esse método, algumas coisas acontecem nas aulas.

Como resultado, o aluno aproxima-se do seu desejo e liberta a sua criatividade (tal como no segundo momento da análise). O aluno ganha segurança, confiança e recursos para se expressar. O piano tornar-se uma maneira de expressão de si e, também, uma forma de satisfação e prazer. A produção do aluno aumenta pois está atrelada ao prazer e à satisfação (sublimação). Com um produto da sua sublimação nas mãos, o aluno é instigado a colocar a sua produção no mundo, colocar a sua criatividade numa relação com as outras pessoas. Tal como no terceiro momento da análise, o aluno coloca o seu desejo e a sua criação singular como uma forma de estar na vida, uma forma responsável, prazerosa e envolvente de estar no mundo. O aluno-sujeito passa a sustentar a sua maneira singular de estar no mundo e a sua maneira singular de fazer música.


O desejo da Nós Bobôs

Movida pelo próprio desejo, a Nós Bobôs herda da Psicanálise as concepções fundamentais sobre a constituição do sujeito, trata seus alunos como seres de linguagem (parlêtre) e faz das descobertas da Associação Livre suas premissas de trabalho.

Por desejo, as aulas de piano sustentam-se numa ética de desejo.

Assim se faz na Nós Bobôs.



Notas

(1) Jorge Forbes. Lacan e a psicanálise do século XXI - 1º bloco. 3 minutos e 38 segundos. https://youtu.be/Qu9IBTh19Ug


(2) Analisando: a pessoa que começa o percurso de uma análise, aquela pessoa que pede ao psicanalista uma análise.


Graciosa, 22/Jul/2019
#Música e Arte#Flerte com a Psicanálise#Educação#Não-Violência