Comunicação Não-Violenta

O que é a CNV?

CNV

A Comunicação Não-Violenta (CNV) é um processo de comunicação usado para construir relações mais seguras, potencializar a criação de vínculos, gerir as emoções e resolver conflitos. Pode ser aplicada no âmbito pessoal ou profissional.

Ao retirar a violência, abrimos espaço para que outros afetos e emoções apareçam. Abre-se, assim, um campo para cultivar relações mais respeitosas, sensíveis e afetuosas.

Cultivar ferramentas da Comunicação Não-Violenta é uma maneira de nutrir o Amor.

O Ponto de Partida

A premissa da CNV é que todos temos Necessidades. E essas Necessidades são comuns a todas as pessoas: Necessidades Humanas Universais.

Assim, as nossas ações destinam-se a satisfazer essas necessidades. A violência surge como uma estratégia, como um meio para que se satisfaça uma necessidade.

Não-Violenta

A expressão «não» indica a retirada da violência.

Ao retirar a violência, potencializamos as formas de agir que cultivam os afetos de ligação e cuidado.

«Não-Violenta» potencializa a criação de vínculos emocionais.

Cultivo da Não-Violência

«Tudo o que favorece o estreitamento dos vínculos emocionais entre os homens deve atuar contra a guerra.»

Sigmund Freud


«… o que acontece que nos desliga de nossa natureza compassiva, levando-nos a nos comportarmos de maneira violenta e baseada na exploração das outras pessoas? E, inversamente, o que permite que algumas pessoas permaneçam ligadas à sua natureza compassiva mesmo nas circunstâncias mais penosas?»

Marshall Rosenberg


«A Comunicação Não-Violenta é uma porta para trazer a não-violência para dentro de nossas relações interpessoais, nossa maneira de tratar nós mesmos e nossa maneira de se engajar na sociedade.»

Dominic Barter


«A CNV nos ajuda a reformular a maneira pela qual nos expressamos e ouvimos os outros. Quando utilizamos a CNV para ouvir nossas necessidades mais profundas e as dos outros, percebemos os relacionamentos por um novo enfoque.»

Marshall Rosenberg

As 4 componentes da CNV

A CNV baseia-se em 4 componentes básicos traçados por Marshall Rosenberg que são:

Observação

As ações concretas que estamos observando e que afetam nosso bem-estar. Procure descrever o que observa, suspenda julgamentos e avaliações.


Sentimentos

Como nos sentimos em relação ao que estamos observando. Identifique e responsabilize-se pelos seus sentimentos. Analise se de facto está a sentir o que identificou ou se são pensamentos sobre o sentimentos.


Necessidades

As necessidades são valores e anseios que estão gerando nossos sentimentos. Busque identificar suas necessidades explícitas e implícita estando, também, atento às necessidades alheias.


Pedido

As ações concretas que pedimos para enriquecer nossa vida. Esteja aberto a perceber as possibilidades de satisfação das necessidades com pedidos para si, para o outro e para terceiros. É importante praticar a elaboração de pedidos diversos: de conexão, de ação, de busca por compreensão, permitindo experimentar várias possibilidades de se aprofundar nesta conexão consigo, com o outro e com o todo.


Ações da Nós Bobôs

Ateliês de Comunicação e Escuta Empática

Apoiado na Comunicação Não-Violenta (CNV) e na Psicanálise, estes Ateliês cultivam ferramentas para sair dos jogos de violência e abrir espaço para que outros sentimentos e emoções aconteçam.

Comunicação Não-Violenta na Educação

Ateliê para pensar a Educação e cultivar ferramentas de Comunicação Não-Violência (CNV) aplicáveis no quotidiano escolar.

É um Ateliê sustentado pela Comunicação Não-Violenta e pela Psicanálise de Orientação Lacaniana.

Círculo Empático

O Círculo Empático é um espaço de acolhimento através da prática da Escuta Empática.